Bosques terciários

Nos vales encaixados das serras viradas ao Atlântico encontramos bosques relíquia das florestas subtropicais do Terciário que sobreviveram nestas paragens às últimas glaciações.


Nos vales encaixados das serras viradas ao Atlântico encontramos bosques relíquia das florestas subtropicais do Terciário que sobreviveram nestas paragens às últimas glaciações. O feto-vaqueiro, o loendro, o aderno, o medronheiro, o loureiro, o azevinho, o folhado, as cabrinhas (feto epífito), o hipericão-do-gerês, a língua-cervina, são algumas espécies típicas destas formações que aqui podemos encontrar. O feto-vaqueiro e o loendro, por serem espécies muito raras, só pontualmente aparecem nos vales mais profundos dos rios Caima, Teixeira e Alfusqueiro. Nos rios Paiva e Teixeira o habitat do adernal abunda, formação dominada pelo aderno acompanhado por outras espécies de folha persistente e que em tudo se assemelha à laurissilva da Madeira. No Caima e em alguns afluentes do Vouga, podemos encontrar extensos bosques de azevinho, acompanhados permanentemente por matas de loureiros. Em alguns afluentes do Vouga, um bosque perenifólio com azevinho, folhado, medronheiro e herbáceas como o hipericão-do-gerês e as esporas-bravas pode ser contemplado por entre as paredes vertiginosas que ladeiam as ribeiras.